A Pedagogia Profunda

Idealizada por Céline Lorthiois, a Pedagogia Profunda, para suprir carências de propostas educacionais atuais, busca estreitar os vínculos entre a Educação e a Psicologia. No caso, a Psicologia Analítica, de Carl Gustav Jung, que comporta o ser humano na sua integridade.

A Pedagogia Profunda propõe uma educação com alma. Para incluir a alma da criança no espaço educacional, consideramos os desejos, os sonhos, os sentimentos da criança, tecemos com ela um verdadeiro diálogo e abrimos espaço para a manifestação de seus entusiasmos.

“O propósito da Pedagogia Profunda não é a performance, é a verdade. É zelar para que cada educando possa desenvolver o talento de ser ele mesmo.” [1]

Nosso zelo é voltado para a integridade psíquica da criança mais do que para a aprendizagem, pois a saúde psicológica da criança constitui o fundamento seguro de aprendizagens autênticas. Assim, de acordo com o embasamento junguiano da Pedagogia Profunda, ao invés de tentarmos entender por que uma criança age de tal maneira e não de outra, nos preocupamos em compreender para que ela tem tal comportamento. O comportamento da criança não tem apenas uma causa, ele tem um propósito.

Acreditamos que a compreensão, pelo educador, do caráter sensato de comportamentos infantis inesperados, ou seja, da direção e dos propósitos desses comportamentos, possibilita o crescimento sadio da criança. Nesse sentido, o educador tem papel fundamental e é um diferencial nesse trabalho.

“Sabemos que o educador deve esquecer qualquer pretensão de interferir de maneira prepotente e violenta no processo da criança, pois ele nunca saberá ao certo o que é bom e o que não é para cada criança – só ela sabe. Mas sabemos também que podemos exercitar muito humildemente a habilidade de observar com atenção, e isso com a reserva e a distância de quem abriu mão de certezas e expectativas (e sem trocar certezas por dúvidas, mas suportando o espaço vazio…).” [2]

O educador trabalha incessantemente em prol de seu próprio processo autoconhecimento, permitindo o desenvolvendo de sua personalidade, e evitando que ele projete seus temores, necessidades e insatisfações no educando. Fica assim facilitado à criança o acesso às suas próprias necessidades, o conhecimento de suas características e a realização de suas metas.

Além disso, trabalhando em prol de seu autoconhecimento, o educador da Pedagogia Profunda passa a acessar uma sabedoria interna, a utilizar os recursos de sua intuição, assim como de suas funções de sensação, intelecto e sentimento, desenvolvidas e aguçadas pelo conhecimento teórico, pela prática do trabalho com a matéria, os trabalhos corporais e as danças circulares.

Para saber mais sobre a Pedagogia Profunda:

 – O Educador, Princípio da Pedagogia Profunda! – Palestra no Igovsp InovaDay, outubro de 2014: https://www.youtube.com/watch?v=hjABC8LwNGo

(O 2o link é do debate que foi realizado em seguida. Alternam perguntas para o Ernesto sobre uso de dados, e para Céline, sobre a Pedagogia Profunda)

 – https://www.facebook.com/pedagogia.profunda

 – Os toques sutis na educação – Um re-ligar do corpo com a cabeça. In SPACCAQUERCHE, M. E. (Org.) Corpo em Jung. São Paulo: Vetor, 2012. p. 105-116.

 – Educação, Arte e a Cultura da Amamentação – Encontro Nacional de Aleitamento Materno – ENAM, 11 e Encontro Nacional de Alimentação Complementar Saudável – ENACS, 1, 2010, Santos, SP. <http://www.ibfan.org.br/documentos/outras/doc-486.pdf >

– Exercícios de Pedagogia Profunda – Uma inclusão da Alma na Educação. São Paulo: Ed. Paulus, 2008.

– Pedagogia Profunda. Por quê? Para quê? Como? Hermes, vol. 12, p.96-105, 2007.

– Aplicação Indireta de Trabalhos Corporais em Crianças e Adolescentes. Hermes, vol. 10, p. 26-33, 2005.

– Danças Circulares Sagradas – A Graça da Roda. Mar. 2005, Centro de Estudos Universais da Universidade Anhembi Morumbi, <http://www2.anhembi.br/dancascirculares/dancas_sagradas.htm>

[1] LORTHIOIS, C. Exercícios de Pedagogia Profunda – Uma Inclusão da Alma na Educação. São Paulo: Paulus, 2008.

[2] Id., ibid.